sexta-feira, fevereiro 27

O nosso Carnaval

Estamos a produzir textos

Era uma vez uma galinha
A galinha dá ovos,
Os ovos são brancos,
branca é a clara,
a clara é boa,
boa é a gema,
a gema é amarela.

Rafael 3º Ano


Era uma vez uma menina
que estava a coser
e de repente,
ela picou-se na mão,
e a avó disse:
- Espera que eu vou buscar um penso,
para pôr no teu dedo.

Tânia 2º Ano


Era uma vez uma flor
a flor tinha néctar,
a abelha sugou o néctar,
o nèctar era para fazer mel,
o mel era para comer.
A Joana comeu-o e a abelha picou-a,
ela foi para casa,
e a mãe tratou dela.

Inês 3º Ano

Era uma vez
uma menina chamada Bruna,
ela gosta muito de andar na escola ,
e por isso os pais ficam muito contentes.

Bruna 1º Ano


Era uma vez um cão que andava sempre sozinho
queria ter amigos.
Um dia encontrou um amigo,
era muito brincalhão, fazia-o rir.
Apareceu um dia um rato,
e houve zaragata,
mas o meu amigo cão,
venceu o rato.

Ricardo 2º Ano


Era vez uma fada,
a fada viu um cavalo.

O cavalo tinha fome,
a fada deu-lhe palha.
A palha era amarela,
o cavalo era castanho e grande.
O cavalo ficou muito contente com a palha.

Diogo 2º Ano


Era uma vez um menino chamado Nelson
e uma menina chamada Laura.
Não sabiam ler!
Eu sou o Bruno e já sei ler e escrever.
Os meus pais estão muito contentes
e eu também.

Bruno 1º Ano

EB 1 do Castanheiro do Norte

quinta-feira, fevereiro 26

Bicho Carpinteiro

Após a exploração de um livro de Luísa Ducla Soares numa das aulas da formação de língua portuguesa,decidimos contactar a escritora. O resultado foi muito gratificante porque ela presenteou os meninos com um poema " O Bicho Carpinteiro ".
Ficámos todos muito contentes e decidimos colocar a oferta na parede da sala, depois de o poema estar perfeitamente ilustrado.



Depois de algumas horas de trabalho eis o resultado:



Turma B/ EB1 de Carrazeda de Ansiães

Tenta adivinhar ! Brinca também tu com as palavras.




Maria cantora

andava no campo

chegou-lhe a notícia

do seu filho branco


Maria cantora

desatou a correr,

e ainda chegou a tempo

de o ver nascer.


O que é que todos os cães têm

que só no Algarve é que há!



Eu não tenho carapuça

ou chapéu de enfeitar.

Põem-me na cabeça

para trabalhar.



Ele é macho ela é femea

nunca se hão-de casar;

o macho larga fumaça

e a fêmea sabe cantar.



O que é, o que é,

de noite tem oito pés

e de manhã só tem quatro pés.



A mãe é ladra,

o pai é ladrão

e os filhos

que com eles aprenderam,

ladrões também são.



Por onde é que passa

um elefante

e não consegue passar um mosquito.

Lambem-me as costas,

dão-me um murro na cara

e mandam-me para longe.

( Para saberes as soluções comunica connosco )
EB1 do Castanheiro do Norte

Troca de saberes



No dia treze, sexta-feira, os meninos e professoras do Pombal vieram à nossa escola em Vilarinho da Castanheira.
Quando chegaram, apresentámo-nos uns aos outros, brincámos um bocadinho para nos conhecermos melhor e depois apresentámos-lhe o nosso teatro “A princesa feia” e a seguir o CD sobre Vilarinho da Castanheira.
Como já era meio-dia, fomos almoçar todos à cantina da nossa escola. O almoço foi: sopa, puré de batata, frango estufado com cenouras e ervilhas, salada e bananas.
A seguir, fomos brincar para o recreio.
De tarde, foram os meninos do Pombal que nos mostraram as suas experiências. Estas experiências foram divertidas e todos nós participámos.
No final, os meninos do Pombal, ofereceram-nos um presente, uma cenoura de cartolina com gomas lá dentro.
Nós gostámos deste dia, porque foi divertido, houve troca de saberes e fizemos novos amigos.
Gostávamos que este dia se repetisse mais vezes !

segunda-feira, fevereiro 16

O Carnaval

Hoje a turma da EB1 do Castanheiro do Norte tivemos aula de Língua Portuguesa no âmbito da Formação do Pnep. Foi-nos lido uma história em poesia, cujo título é «Frederico». Gostamos muito e analisamos a história e soubemos identificar os elementos paratextuais.
Falamos também da época que se aproxima o Carnaval. Dissemos que o Carnaval é uma festa que se realiza quarenta dias antes da Páscoa.
A palavra carnaval significa carne + vale, despedida da carne, uma vez que começa o tempo da quaresma.
O carnaval antigamente era violento porque deitavam bombas para as pessoas, chegavam-se mesmo a magoar.
No Carnaval dos nossos dias, fazem-se desfiles com corsos, bailarinas e samba…
Na minha terra faz-se com Entrudos, caretos, máscaras e outras coisas mais. No dia de Carnaval é uso comer-se carne de porco, feijoada e cozido à portuguesa, … alimentos da matança do porco. Em Carrazeda há Zíngaros, e o funeral do Pai da Fartura, que é muito engraçado.
As principais tradições do Carnaval do nosso concelho são as bugalhadas, cacadas e casamentos. È assim o carnaval na minha terra. Consultamos a internet para saber mais do carnaval de outras terras, Loulé, Ovar, Brasil e Veneza. No final elaboramos um esquema de conceitos, que prometemos mostrar…. Até breve.

quarta-feira, fevereiro 11

terça-feira, fevereiro 10

Pequenos poetas

Para o ambiente proteger
árvores devemos plantar.
Com elas devemos viver,
para mais tarde recordar.

Ambiente coisa linda,
que todos devemos prezar.
Para que nele consigámos viver
e no futuro amar.
Judite

A Natureza é nossa amiga
Devemos trata-la bem
Não nos faz mal
Até só nos faz bem.
Pedro Nuno

O ambiente onde vivemos
Está a ser destruído e nós morremos.
Para o ajudar
Temos muito que trabalhar.
Tiago

Temos que proteger o ambiente.
Proteger de alguma gente.
Para que de hoje em diante
haja saúde neste ambiente .
Camila

2º ano Turma B / EB1 de Carrazeda de Ansiães

segunda-feira, fevereiro 9

Nona aula PNEP

video

Turma B - EB1 de Carrazeda deAnsiães

Poema da Primavera


As flores deste jardim

São sonhos dentro de mim,

Enfeitam a casa antiga

E os sonhos da minha vida.


Lúcia 3.º ano

EB1 do Vilarinho da Castanheira

Poesias


Poema do Outono


Árvore despida,

Quem te despiu?

Foi o Outono

Quando me viu.


Lúcia 3.º ano

EB1 do Vilarinho da Castanheira




Frederico - Pnep









Exploração da história "Frederico" de Leo Lionni da editora Kalandraka. Depois de ouvida a história, as crianças recontam´-na ordenando as várias situações.

EB1 Selores

terça-feira, fevereiro 3

Exploração do livro "Grávida no coração"









EB1 da Selores

Trabalho sobre os dígrafos - ch, nh e lh




EB1 da Selores

Evolução da escrita

No dia 28 de Janeiro, fomos convidados a participar numa actividade denominada DIA +, realizada pelos meninos do Jardim-de-infância de Carrazeda de Ansiães.
Passamos pela máquina do tempo e vimos a forma como a escrita foi evoluindo ao longo da existência humana.
Os homens das cavernas desenhavam nas rochas os animais que caçavam, utilizando pontas de pedra muito afiadas.
Os Egípcios desenhavam em papiro os animais e objectos que queriam transmitir.
Com o passar do tempo o homem criou símbolos para representar as suas ideias.
Quando saímos da máquina do tempo, experimentamos escrever em placas de argila, tal como faziam os homens de antigamente.
Foi uma actividade muito gira, onde aprendemos muitas coisas.
Turma Z
E.B.1 de Carrazeda de Ansiães
“Foi muito divertido, Fizemos uma máquina do tempo para passarmos para o outro lado. Assim o tempo andava para trás, para o tempo de antigamente.
Aprendi como escreviam antigamente. Se queriam escrever “coelho” faziam o símbolo do coelho.
A evolução da escrita foi assim: primeiro pintavam nas paredes, depois começaram a escrever no barro, depois no papiro e depois nas folhas.”
Ivo, 6 anos
Gostei de ver no quadro interactivo como os homens escreviam nas cavernas.
Aprendi como é que os homens começaram a escrever.
Gostei de escrever no barro como os humanos de antigamente.
Jessica F., 6anos
Gostei da máquina do tempo e de fazer desenhos no barro.
Bruna, 5 anos

“Os homens primeiro escreviam nas pedras, depois nas cavernas depois era nas placas. As letras não eram iguais às nossas. Alguns liam de cima para baixo. E nós escrevemos da esquerda para a direita. Gostei da visita dos outros meninos que andam nas outras escolas. Gostei de todos”.
Leonor, 4 anos
Jardim-de-infância de Carrazeda de Ansiães